Design by Bleck Design

para Fundação Plural | 2015

1/3

 PROJETOS 

DIARIO DO EMBAIXADOR 

O projeto “Diário do Embaixador” é uma iniciativa cultural da Rede Plural de Desenvolvimento. Seu objetivo é recuperar um manuscrito inédito, que data de meados do século 18, que trata de uma viagem de grande importância para a geopolítica portuguesa da época, em que uma missão diplomática foi enviada de Lisboa para uma missão na China. O manuscrito é rico em detalhes dessa longa rota, que incluiu em seu retorno passagens por Moçambique e pelo Rio de Janeiro. Portugal vivia o apogeu do período pombalino, e o fim da narrativa ocorre no caminho de volta a Portugal, a poucos meses do grande terremoto de Lisboa, ocorrido em 1755.

 

Originariamente este projeto teve início através de parceria da Fundação São Vicente com a Biblioteca Mário de Andrade, encerrada em 2009, os resultados dos trabalhos e pesquisas realizados na primeira fase e na vigência desta parceria estão sob a guarda da Fundação Plural, através da cessão de direitos específicos do trabalho executado.

 

O texto faz parte da Seção de Obras Raras e Especiais da Biblioteca Mário de Andrade e pertence à Coleção Félix Pacheco. Escritor, senador da República e ministro das Relações Exteriores do Brasil, Pacheco reuniu a maior coleção privada de obras raras e de Brasiliana do país em seu tempo e sua coleção foi comprada pela biblioteca pública em 1936.

 

O manuscrito, de autoria de Baduem da Serra1, foi adquirido por Pacheco, em fins dos anos 1920, na Livraria Maggs Bros., de Londres. Diogo Baduem da Serra era membro da família do embaixador português Francisco Xavier de Assis Pacheco e fez parte da comitiva enviada pelo rei D. José à China, nos anos de 1753-1754, para estreitar as relações entre as duas nações e proteger as missões católicas naquele país. A obra, escrita em forma de diário de viagem, descreve a viagem de ida e volta entre Lisboa e Pequim. Traz comentários sobre a vida social e política chinesa e uma planta do Palácio da Corte Imperial de Pequim, onde a embaixada portuguesa ficou hospedada.

 

A primeira fase do projeto encontra-se concluída, com a transcrição literal da narrativa, respeitando a forma com que foi escrita originalmente. Essa etapa inicial foi totalmente financiada com recursos particulares, que concedeu bolsas à equipe de filólogos que fez a transcrição do texto, coordenada à época pelo professor Carlos Eduardo Mendes de Moraes, da Unesp de Assis, um especialista na escrita do século 18. Essa fase contou também com a supervisão e pesquisa preliminar do jornalista Edney Cielici Dias. 

 

A segunda fase tem como objetivo construir uma narrativa de alcance mais geral do manuscrito, de forma a torná-lo acessível e interessante a um público mais amplo. Para isso, a equipe atual irá se basear em fatos históricos, mas se valerá de recursos ficcionais, que estarão explicitamente identificados, de forma que o leitor não confunda registro documental com narrativa literária. A materialização do trabalho será uma edição bem cuidada, que valorizará o material iconográfico original.

 

Para essa etapa do projeto, a Rede Plural de Desenvolvimento, através da Fundação Plural tem procurado parceiros, de forma a obter recursos que a viabilize.

ER 1 SERRA, Diogo Baduem da. Rellação da viagem q Diogo Baduem da Serra da familia do Exmo. Snr. Embaixador fes a Macao, China e Mosse. [Moçambique] e Ryo de Janr o [Rio de Janeiro] em a nao N. S. da Conceição e Lusitania Grande, e noticias das provincias da China, cidades e villas, fabricas, rendas e produtos das terras, forma e tratamento dos Bonzos, que são os seus Padres, e com estampas de algumas cidades que se poderão tirar da viagem que fes. [s.d., circa 1754] Mss. ilustrado, 8 lâminas, 612 [i.é, 252] p. 32 x 22 cm. Diário manuscrito encadernado em couro de vaca, guardado em caixa protetora. Segundo informa o catálogo da Livraria Maggs, no original constariam 11 lâminas de ilustrações, faltando portanto 3 imagens; faltam também as páginas 63-64. Existem diversos erros de paginação; no total são 252 p. e não 612, como numerado. A fonte bibliográfica do catálogo da livraria que descreve a obra é: LONDRES. Maggs Bros. Bibliotheca americana; part VII. London: Maggs Bros., 1928. Catalogue n. 502, item 5.461, p.385.